30 de agosto de 2011

Contemplando o mar

Sossega coração, sossega
Contempla o ir e vir da tristeza
Na dança calma ou agitada da onda
No vaivém eterno da vida

Acalma coração, acalma
Que não retraiam teus ânimos
Nem a espuma, nem os ventos
Nem o estrondo dos temores emergidos

Amansa coração, amansa
A dor que alagou tua alma
Passará com a luz do novo dia
Germinando novamente a esperança

Repousa coração, repousa
Suporta a sedutora correnteza
Mergulhando na solidão mais profunda
Até encontrar o amor que te alimenta

Um comentário: